VOCÊ SABIA ?

 

“Que a abordagem metodológica DBR oportuniza a resolução das novas demandas sociais reclamadas pela cognição que preencham as lacunas deixadas por experiências pouco exitosas, pois a mesma une as perspectivas qualitativa e quantitativa, culminando numa aplicação que integra a comunidade não apenas como objeto de estudo, mas, principalmente sujeito da pesquisa, configurando-se numa prática social comunitária.”

 

‘”Que os indígenas [payayá e aimoré] deram as suas grandes contribuições para a gastronomia brasileira, já à época da chegada dos povoadores, se alimentavam de uma leguminosa que todos definiam como sendo cumandá, que na verdade era uma das variedades de feijões.”

 

“Que os Payayá também eram cultivadores do milho, da mandioca, do aipim, do feijão, da batata doce, do amendoim e da abóbora, além de caçarem veados, porcos do mato, cascavéis, e coletarem umbu, mandacaru, xiquexique e mel de mandassaia”

 

“Que entre muitos que por aqui passaram os Guedes de Brito, os Peixoto Viegas e ainda Lobo Mesquita, foram os que deram inicio as famílias que, por enlaces matrimoniais, fizeram surgir os grandes nomes que nos dias de hoje nomeiam ruas e praças da sede do município.”

 

 “Que os forasteiros, também tinham os seus hábitos, costumes e formas de se relacionarem com o divino, fizeram da então freguesia de São José das Itapororocas, o berço da pujante e próspera Feira de Santana.”

 

“Que a Bata do Feijão é uma cerimônia de agradecimento por uma boa colheita, realizada em regime de solidariedade, e é um evento da tradição dos locais onde se produz feijão.”

 

“Que há uma ‘ciência’, após o plantio, denominada de ‘biatagem’, que facilita o trabalho de separação dos grãos, e que essa ‘ciência’ vem acompanhada de muita criatividade.”

 

“Que os sujeitos compõem as músicas que dão o ritmo ao trabalho e distrai os trabalhadores, e também as pessoas que estão apenas ‘apreciando’ a bata do feijão.”

 

“Que a DBR proporciona a construção de instrumentos de auxilio didáticos dialógicos na perspectiva socioconstrutivista contribuindo na sua eficácia e eficiência.”

 “Que o Museu Virtual possibilita uma relação entre o visitante e o objeto disposto, que potencializa o valor deste, e ainda facilita a comunicação por encontrar-se sempre aberto e disponível.”

 

 

Direitos Reservados à Museu da Bata do Feijão desde 2017

André Lemos - Creative Designer - 75 98132-0964